Resenha: O Castelo das Águias – Ana Lúcia Merege

O Castelo das Águias, da Ana Lúcia Merege, é a prova de que uma história simples pode se tornar fantástica.

Anna é uma curiosa e destemida jovem humana, que morava em uma tribo de Elfos na Floresta dos Teixos, em Bryke. Apaixonada por histórias, ela aceita o desafio de se tornar a Mestre de Sagas e se mudar para o Castelo das Águas, uma escola de magia das Terras Férteis de Athelgard. Lá homens e elfos vivem em certa harmonia, inclusive no quesito religião. No Templo as pessoas podem adorar o Deus Único e também os Heróis, como Freya, Thonarr e Loki, o esquerdo.

O Castelo das Águias - Dica do Leitor

Foi em seus livros e na escola dos Odravas que aprendi sobre os povos da Ilha: os elfos brilhantes, fundadores das cidades do Sul, as tribos élficas como a nossa, que habitavam as florestas, os homens e os meio-humanos. E as histórias de toda essa gente iam se somando e se entrelaçando a cada geração.” – P. 26

Anna foi indicada pelo próprio mentor da Escola, Mestre Camdell. Um meio elfo que acima de tudo tem um coração enorme. Lá ela também conhece outros Metres, como Urien, o professor de Música e fofoqueiro oficial; Lara, uma maga frágil e enigmática, e Kieran de Scyllix, ou o Carrasco, como também é chamado “secretamente” por seus alunos. Anna e Kieran mantém um forte laço desde sua chegada.

Os golpes e movimentos eram agora menos artísticos, e percebi que Vergena evitava os olhos do Mestre. Ele, ao contrário, tentava fazer com que a elfa o olhasse de frente, e numa dessas manobras seu olhar se encontrou como o meu. Foi rápido como clarão, mas muito intenso, e eu senti todo o meu sangue subir de uma vez às faces. (…) Não era preciso ficar para saber quem venceria. Nem para saber, com uma certeza impossível de explicar, que um elo se forjara entre Kieran e eu.– P. 39

No castelo os aprendizes devem se iniciar nas artes dos bardos e dos saltimbancos e depois aprendem os princípios da Magia da Forma e do Pensamento. O nome do castelo veio pelas magníficas águias que moram na floresta que circunda o castelo. “(…) elas, e somente elas, respondem bem a um encantamento que as deixa mais fortes e velozes e aguça sua inteligência. Isso permite que sejam usadas como mensageiras e como armas de guerra, o que o Exército tem feito nas últimas décadas. Felizmente, existe uma convenção que impede isso, exceto em casos de guerra iminente” (p.30). E por isso os representantes do Conselho de Scyllix (formado pelo “guerreiro” Doron e pelo mago Hillias) entra em debate com o Conselho de Vrindavahn (formado por pessoas importantes da cidade) e com os representantes da Escola, Mestre Ryndel, Kieran e Anna, os três escolhidos por Camdell.O Castelo das Águias - Dica do Leitor

Sim, Anna, e por uma razão bem simples: O fogo me revelou que a Magia e a Ciência não bastam. Precisamos da Imaginação. E quem melhor para isso do que a nossa Metre de Sagas? (…) Ora! Pelo que me contou em suas cartas, você enfrentou usos – replicou Camdell, sorrindo. – Os conselheiros não devem ser piores. Pelo menos falam a nossa língua. E é justamente o dom da palavra que fará a diferença.” – P. 84/85

Música em Suas Tranças (Um conto gratuito que você pode ler aqui) foi a primeira história que li do mundo de Athelgard.  Ali já percebi quão simples e bonita era a história de Kieran e Anna. Em Castelo das Águias, não é diferente. Essa seria uma narrativa simples, se não fosse por seu universo fantástico. Ana Merege une a magia, com humanos e elfos, deuses mitológicos, xamãs e águias em mundos únicos, com culturas e histórias próprias. Dentro disso, ela trás a tona assuntos como diversidade, meio ambiente, política e poder. Isso tudo, nas mãos (ou na cabeça) de outros, poderia ser uma incrível confusão. Mas Ana consegue contar a história com tal capricho que torna tudo fluido e natural.

Acho que posso aqui recomendar O Castelo das Águias para todas as idades, pois foi feita para encantar todos os seres – homens ou elfos – de todas as idades. Afinal essa não é só uma história de amor, mas também uma história sobre a importância da liberdade. Já estou na ansiedade para ler A Ilha dos Ossos, segundo livro da saga. E claro, quando isso acontecer, conto pra vocês.

Uma observação final: Além da linda capa de Carolina Mylius, o livro foi impresso em papel pólen bold de ótima qualidade e trás lindas ilustrações de mapa e arabescos (se é que posso chamar assim).

O Castelo das Águias – Ana Lúcia Merege

Editora: Draco;
Edição: 1ª (1 de janeiro de 2011)
Páginas: 192 páginas
Dimensões: 21x14cm
ISBN-10: 8562942200
ISBN-13: 978-8562942204
Compre Aqui:

2 thoughts on “Resenha: O Castelo das Águias – Ana Lúcia Merege”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *