Resenha: Pietra – Beatriz de Castro

Uma jovem que vive num mundo destruído pelo homem e que fará o possível e o impensável para ajudar aqueles que ama. Essa é Pietra, personagem principal do livro de Beatriz de Castro.

A poluição descontrolada, criada pelo o homem, destruiu o mundo e a sociedade. Poucas são as árvores que existem. O ar é pesado e poucos são aqueles que conseguem se adaptar bem a ele. Para sobreviver, um homem de cada família – seu provedor – é enviado para Londinium, para trabalhar em fábricas, em troca de alimentação e suprimentos. As mulheres são submissas. Devem cuidar da casa, dos filhos e procriar. Nessa sociedade os mais pobres devem andar de cabeça baixa e nunca chamar a atenção.

O melhor exemplo é o que os antepassados de todos fizeram com o planeta, poluindo, arrancando árvores e produzindo lixo sem se importar com o amanhã, mas o amanhã havia chegado. Não para aquelas pessoas, mas para os filhos e netos delas e agora eles que pagavam por seus erros. – Pos. 1546

Pietra Lavoix mora em uma vila com sua mãe, seu irmão caçula doente e com sua avó. No seu dia a dia, ela ajuda sua mãe com os afazeres da casa. Cuida de Nathan, seu irmão caçula (que não tem forças para ficar fora da cama) e quando termina suas responsabilidades passa a tarde lendo e conversando com sua avó, Frida. A sábia senhora – minha personagem predileta na história – viveu no mundo em que vivemos hoje e viu a transformação. Por isso ela carrega consigo alguns ensinamentos. Nos fundos da sua casa ela tem poucas árvores que resistem a poluição e uma biblioteca. Mesmo não sendo considerado desnecessário nesta sociedade, ela ensina sua neta a ler. E através de clássicos da literatura como Shakespeare, Corcunda de Notre Dame, e claro sua força e sabedoria, ela tenta passar lições para sua neta.Capa - Pietra - Dica do Leitor

Minha corujinha, a vida é difícil, sim, mas é sempre possível aproveitar o lado bom dela. Quantas pessoas estão em situações ainda piores que a nossa e conseguem sorrir? O que foi feito não pode ser mudado, mas podemos aprender com isso. Acreditar é pensar no impossível para torna-lo possível.  – Pos. 549

A cada seis meses Pietra passa o dia aguardando ansiosamente a visita do pai, que só tinha um fim de semana para passar com a família. O comboio da fábrica só aparece na vila em dias de entrega de alimentos, do alistamento ou da visita semestral. Quando ele aparecia fora desses dias, significavam péssimas notícias. E foi esse comboio que mudou a vida da personagem para sempre. Dessa vez era o corpo de seu pai que estava sendo entregue, como um pacote qualquer. Ele sofreu um “acidente” e não resistiu aos ferimentos. Sem um provedor a família da jovem pode literalmente morrer de fome. Seu irmão ainda é muito novo e muito doente. Por isso ela toma uma decisão. Pietra corta os longos cabelos e se aproveita de sua magreza para se passar por Petrus Lavoix o filho mais velho da família.

“Olhar para baixo…ficar quieta… quero dizer… quieto…fingir que não existo…” Essa última parte era a mais fácil… A vida de todos aqueles que não pertenciam à camada exclusiva dos subchefes era esquecida sempre, difícil mesmo era lembrar que eram humanos. Ela não sabia o que esperar quando chegasse ao seu destino, só sabia que havia tomado uma decisão que colocaria em risco a si e a todos que conhecia, mas não tinha outra escolha, devia fazer o que era certo não importava as consequências. P. 68

Agora em Londinium, Petrus precisa trabalhar para que sua família receba alimentos, esconder um grande segredo e claro continuar não chamando a atenção. Mas – mesmo relutante – ela percebe que não precisa carregar o fardo sozinha. Killian, um jovem que também vivia em sua vila, sabe seu segredo e decide ajuda-la. Os dois se tornam grandes amigos. Ele o príncipe salvador. Ela a guerreira destemida. Os dois até tentam viver sua rotina de trabalhar, comer e dormir. Mas a injustiça com outros, não permite que eles passem a vida apenas observando, sem agir. Petrus e Killian conhecem Yara e suas meninas que vendem a única coisa que tem para os trabalhadores da fábrica. Eles resolvem ajudar essas mulheres e acabam descobrindo que a sociedade vai muito além de vilas, fábricas, homens que trabalham por comida e mulheres submissas.Marcadores - Pietra

-Pois é, querida, – disse a senhora – podemos parecer um grupo de frágeis, submissas e obedientes mulheres prontas para servir a todos os desejos dos homens, – falou com a foz amarga – mas em nossas mentes, eles não podem nos alcançar e lá nos reinamos soberanas e algum dia, reinaremos também aqui fora. – Pos. 1393

Como a própria autora descreve na sinopse, Pietra é uma distopia com um toque de Mulan, mas vai muito além disso. É a prova de que uma história simples, pode se tornar incrível! Digo simples porque, quem nunca imaginou o que pode se tornar o mundo com o homem tratando a natureza da forma que trata? Quem nunca percebeu que nós, somos os únicos culpados de o mundo estar da forma que está? Beatriz de Castro imaginou isso, unindo seu universo ao nosso, com diversas referências literárias, um pouco de romance, aventura e nos entrega uma história que fala sobre sacrifícios, família, feminismo, diferenças sociais, meio ambiente e amizade.

O livro tem uma escrita gostosa de ler e é uma apresentação a esse universo que faz parte da Trilogia Sobrevivência. Mixando passado e presente através dos capítulos, a autora apresenta ao leitor o mundo, a sociedade, seus personagens, suas atitudes e consequências. Pietra, a heroína é complexa e muito bem trabalhada que faz tudo pela sua família. Sua avó, Frida, é o simbolo da força e esperança, que de alguma forma, acaba treinando sua neta para suas escolhas. Killian é o personagem que não tem como não amar. É o Príncipe que tenta salvar as princesas que precisam e também as que não precisam ser salvas. E o vilão, que é a sociedade como um todo… mas também é personificada através do cientista Rafaelli.

Pietra me deixou ansiosa pelo desenvolvimento de personagens como a  mãe e o irmão da heroína, Yara e suas meninas e o vilão Rafaelli. E claro, muito curiosa sobre os segredos de Londinium, que Pietra mal começou a desvendar.

Pietra – Beatriz de Castro

Pietra - Capa

Editora: Independente
Formato: eBook Kindle
Tamanho do arquivo: 1156 KB
Número de páginas: 164 páginas
ASIN: B072JNMTTJ
Compre Aqui:

2 comentários sobre “Resenha: Pietra – Beatriz de Castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *