Resenha: Quasi Di Verdadi – Kelly Christi

Somos mais de sete milhões de pessoas no mundo. Sete milhões de vidas. Sete milhões de histórias. Contos do nosso dia a dia que que são ignorados pelo alheio. Esse é Quasi Di Verdadi, um livro de contos, com histórias do cotidiano, sobre pessoas comuns, que vão te surpreender.

Quasi Di Verdadi, da jornalista e editora de textos Kelly Christi, trás 9 contos urbanos com temas como desencontros, amores casuais, sexo, preconceitos e jovens enfrentando a vida adulta.

Quasi Di Verdadi - Kelly Christi

Kelly Christi – Foto Divulgação

“A ideia do Quasi di Verdadi era ser um e-book propositalmente curto, onde as pessoas pudessem ler em qualquer lugar, baixar no tablet, no celular, no computador, refletir sobre algumas coisas que acontecem a nossa volta, mas não damos tanta atenção e brincar um pouco com a imaginação em espaços comuns. ” – Kelly Christi

O livro começa com o conto “Tatuada”. Duda está no metrô observando a tatuagem de um cara e nem percebe que o tal é um ex-namorado. O encontro não foi dos melhores, mas leva Duda a fazer uma relação entre as lembranças e as tatuagens.

“Talvez, eu até faça uma… talvez, eu nunca faça uma tatuagem… e pode ser que isso tenha um motivo, é que algumas paixões que passam por este denso viver também ficam lindas, por alguns momentos, interessantes noutros, renovadas aqui, retocadas acolá, não somem… mas sempre desbotam, um dia.” – P.17 /16

Outro conto muito interessante se chama “Simples Assim”. Augusto é um cara entediado, cansado do mundo. Para resolver isso só existe um jeito, encontrar uma paixão. E ele encontra. Augusto se apaixona por Margô, uma mulher pintada em um quadro inacabado. Escreveu poesias, comprou flores, ficou mais leve… até que acabou. Segundo Augusto, a compatibilidade entre ele e Margô havia acabado e ele precisava tira-la da parede. Augusto era assim, se apaixonava por coisas, sem medo ou sem se importar com o que os outros pensariam.

“Hoje ele vive por aí a procura da sua próxima paixão,  sem ter medo e ao menos se importar se é uma pessoa ou uma coisa qualquer.” – P.45

Kelly Christi tem uma linguagem simples e poética ao mesmo tempo. Quasi Di Verdadi é uma leitura gostosa, rápida, prazerosa de ler, com histórias que de uma forma ou outra se relacionam. Tanto que fica difícil escolher um conto favorito. São todas histórias que de alguma forma vão te marcar e deixar um gosto de quero mais. Como o conto “O Oculto da ciência” onde conhecemos a história do alergista Daniel Darkazéin, seu filho Júnior e a forma peculiar que eles encontram para tampar o buraco deixado pela morte da esposa e mãe.

Com pouco mais de 70 páginas, Quasi Di Verdadi pode ser uma boa forma de se iniciar no mundo dos contos ou uma leitura excelente para quem gosta de histórias urbanas, atuais e do nosso cotidiano. O livro está a venda apenas no formato e-book. O link para compra vai abaixo.

Quasi Di Verdadi – Kelly Christi

Quasi Di Verdadi - Kelly Christi - Capa

Editora: Litteral Conteúdos
Formato: E-book
Páginas: 76
Ano: 2017
Compre Aqui:

2 comentários sobre “Resenha: Quasi Di Verdadi – Kelly Christi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *